sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Mestres dos thrillers jurídicos que você precisa conhecer: John Grisham

Por Redação Juris Correspondente



Como estudante ou profissional do Direito, você certamente já deve ter se deparado com os suspenses criados pelo escritor norte-americano John Grisham. Seja na literatura, no cinema, e até nas séries de TV, seus thrillers jurídicos sempre foram grandes sucessos de público e crítica, e fizeram dele um dos autores mais lidos dos EUA. Uma matéria de 2012, inclusive, indica que ele já tinha vendido mais de 272 milhões de exemplares de seus livros.

Grisham, inicialmente, trabalhou como advogado e como deputado pelo estado do Mississipi, entre os anos de 1984 e 1990. Depois de alguma dificuldade tentando encontrar editoras que pudessem publicar seu primeiro livro, Grisham encontrou enorme sucesso popular, com obras como O Dossiê Pelicano e A Firma.

Vamos descobrir algumas das obras mais famosas deste renomado autor?

Tempo de Matar (1989):

Grisham teve a inspiração para seu primeiro livro depois de ele assistir ao testemunho de uma garota de 12 anos que foi violentada e espancada. Perturbado com o caso, Grisham escreveu aquele que se tornaria seu primeiro sucesso. A história se passa na cidade de Clanton, no Mississipi, e fala sobre uma garota negra de dez anos que é estuprada por supremacistas brancos drogados. Enraivecido, seu pai busca fazer justiça com as próprias mãos, e acaba matando os dois criminosos. Porém, o homem é preso, e cabe ao advogado Jake Brigance defendê-lo da pena de morte.

Além da trama moralmente complexa, Grisham explora nessa novela as relações e o preconceito existente entre brancos e negros no sul dos Estados Unidos. Enquanto muitos apoiam o Carl Hailey, o pai da garota, outros consideram inadmissível que um negro assassine um branco. Até mesmo a infame Ku Klux Klan entra na briga, ameaçando a vida do próprio advogado.

Depois do sucesso de bilheteria de outras adaptações dos livros de Grisham para o cinema, Tempo de Matar foi levado para as telas em 1996, com direção de Joel Schumacher e estrelando Matthew McConaughey como Jake Brigance e Samuel L. Jackson como Carl Hailey, além de Sandra Bullock e Kevin Spacey como coadjuvantes. Assim como outras produções baseadas nas obras de Grisham, Tempo de Matar foi um sucesso de crítica e bilheteria, arrecadando mais de 152 milhões de dólares mundialmente.

A Firma (1991):

O segundo livro de Grisham foi também um de seus mais bem sucedidos: em 1993, ele ficou famoso por ter vendido mais de 1,5 milhão de cópias nos EUA. O thriller conta a história do jovem e esforçado advogado Mitch McDeere, que acabou de se formar como um dos primeiros da turma na Faculdade de Direito de Harvard. Ele acaba entrando na Bendini, Lanbert e Locke, uma rica firma especializada em Direito Tributário. No início, tudo parece maravilhoso: a firma ajuda Mitch a pagar suas dívidas e aluga uma BMW para ele. Porém, ele começa a perceber que tem algo errado com sua firma: dois sócios morreram num acidente nas Ilhas Caimãs, e a empresa se orgulha de suas medidas de segurança exageradas.

Um dia, jantando sozinho, Mitch se encontra com um agente do FBI, que diz que que a Bendini, Lanbert e Locke é uma firma falsa e que ele está em perigo. Obrigado a cooperar com o FBI, mas ainda sob a mira da firma, Mitch se envolve numa conspiração perigosa, que pode lhe custar sua própria vida e a de sua esposa.

Em 1993, o livro foi adaptado ao cinema, com direção do grande Sydney Pollack, e estrelado por Tom Cruise, Gene Hackman, Ed Harris e Holly Hunter, que recebeu uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo papel. Quase duas décadas depois, em 2012, foi lançada uma série, também intitulada A Firma, que continuava as aventuras de Mitch McDeere dez anos depois dos eventos do filme e do livro. Exibida nos EUA pela NBC, a série durou apenas uma temporada, composta por 22 episódios.

O Dossiê Pelicano (2012):

Tão famoso quanto A Firma, O Dossiê Pelicano fala sobre o assassinato de dois juízes da Suprema Corte dos EUA de opiniões divergentes, o liberal Rosenberg e o conservador (porém secretamente homossexual) Jensen. Suas mortes são investigadas pela jovem e brilhante estudante de Direito Darby Shaw, que elabora um dossiê contendo seus estudos sobre os assassinatos. Darby descobre os assassinatos tem conexão com uma perigosa conspiração envolvendo uma companhia petrolífera, a empresa Fundo Verde e a extinção do pelicano marrom.

Os explosivos dados no dossiê de Darby, porém, são capazes de abalar toda a estrutura política americana, e causar até a derrubada do presidente. Assim, a jovem passa a ser perseguida por misteriosos assassinos, e conta apenas com a ajuda do jornalista político Gray Grantham para desvendar o mistério.

O Dossiê Pelicano chegou aos cinemas em 1993, estrelando Julia Roberts como Darby Shaw e Denzel Washington como Gray Grantham. Na direção, Alan J. Pakula, que transformou o longa num thriller recheado de suspense.

O Cliente (1994):

Quarto livro do autor, O Cliente conta a história de Mark Sway, um garoto de onze anos que testemunha o suicídio de um advogado de Nova Orleans. Antes de sua morte, porém, o sujeito conta ao menino um segredo envolvendo o assassinato de um senador da Louisiana por um mafioso que está prestes a enfrentar o tribunal. Mesmo pressionado pelas autoridades, Mark decide revelar o segredo apenas à advogada durona Reggie Love, que passou sua vida defendendo menores de abusos.

O problema é que tudo indica que Mark e Reggie se envolveram numa trama criminosa que ameaça aos dois. Correndo perigo, Mark surge com uma ideia maluca, mas que precisa dar certo para salvar a sua vida e a da advogada. Novamente, a trama combina o suspense e as reviravoltas que deram fama aos thrillers anteriores do autor.

Sua adaptação ao cinema saiu em 1994, estrelada por Sandra Bullock e Tommy Lee Jones. A crítica e o público aprovaram, de modo que, no ano seguinte, uma série de televisão estrelada pela atriz JoBeth Williams como Reggie estreou no canal americano CBS. A série durou 21 episódios, exibidos ao longo de uma temporada.

O Homem que Fazia Chover (1995):

O livro conta a história do advogado recém-formado Rudy Baylor, que precisa enfrentar uma corrupta companhia americana. Para isso, porém, Rudy terá como adversários nos tribunais os experientes advogados da companhia, que tem o costume de devorar figuras como ele. Mesmo assim, Rudy não se intimida, e luta para desvendar uma milionária fraude na área de saúde.

A trama costurada por Grisham traz críticas ácidas à corrupção na economia americana, que costuma favorecer os poderosos e prejudicar os mais humildes.

A adaptação para os cinemas foi estrelada por Matt Damon como Rudy, e dirigida por ninguém menos que Francis Ford Coppola – o responsável por clássicos como a trilogia O Poderoso Chefão e Apocalypse Now. Apesar do longa não ter sido tão bem sucedida nas bilheterias quanto as outras adaptações do escritor, ela foi bem recebida pela crítica, e o próprio Grisham diz que esta é sua adaptação preferida de seus livros.

O Júri (1996):

A história gira em torno de um caso que coloca frente a frente uma poderosa companhia fabricante de cigarros e uma pobre viúva, que perdeu seu marido aos 51 anos, vítima de câncer. O julgamento, porém, é secundário: o verdadeiro protagonista aqui são os bastidores dos processos judiciais no sistema norte-americano.

Grisham aqui discute temas espinhosos como a manipulação do júri e as manobras sujas que ocorrem dentro dos processos, além da influência da mídia em casos famosos. Além disso, o autor também se propõe a falar sobre o tabagismo, um problema preocupante para qualquer família.

A adaptação para os cinemas chegou em 2003, seguida por uma republicação da obra de Grisham. No elenco, estrelas como John Cusack, Dustin Hoffman e Rachel Weisz. Assim como em O Homem que Fazia Chover, a bilheteria pode não ter sido muito grande, porém o longa foi bem recebido pela crítica e pelo próprio autor, que o chamou de “inteligente”.

Grisham também é o autor de obras como O Sócio (1997), A Casa Pintada (2001) e O Inocente (2006), seu primeiro livro baseado em fatos reais, além da série para crianças de 9 a 13 anos Theodore Boone, que conta as aventuras de um advogado mirim. Contando com cinco livros publicados até hoje, a série, além de divertir, também se propõe a informar às crianças sobre a lei.

Missionário pela Igreja Batista, Grisham inclusive já viajou ao Brasil, realizando trabalhos voluntários no Pantanal e inaugurando quadras esportivas na cidade de Corumbá (MS).

E você, já leu algum dos livros do autor? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário