sexta-feira, 2 de maio de 2014

O melhor e o pior de John Grisham


O filme “A Firma”, com Tom Cruise, foi o primeiro livro de John Grisham adaptado para cinema. Este filme teve uma grande repercussão comercialmente e de críticas também. Tanto que a popularidade do autor não só tornou o nome dele conhecido, mas também inaugurou uma era de filmes no estilo “Thriller”. Grisham é  considerado o rei do gênero e seus primeiros sete romances foram todos transformados em filmes, sem que o gênero saísse de moda.

Aqui vai a lista de seus filmes, listados como as melhores adaptações a até as piores.

O homem que fazia chover 1997

Francis Ford Coppola dirigiu esta pequena obra prima, que fala sobre um jovem advogado (Matt Damon), que ao realizar um trabalho Pro bono, assume o caso contra uma grande companhia de seguros de saúde corrupta. Ao mesmo tempo resgata uma jovem mulher (Claire Danes) de seu marido violento. Não vamos esquecer também a participação de Danny deVito, que traz um tom a mais para o filme. É o tipo de história que aquece os corações graças à direção e atuação primorosas, sem pingo de dúvida.

A Firma 1993

Tudo começa com o personagem de  Tom Cruise tornando-se o mais novo membro de um importante escritório de advocacia. Tudo seria uma maravilha, um sonho de carreira e trabalho, se ao descobrir que a empresa dos sonhos é comandada por advogados corruptos.

Até o personagem achar um meio de escapar à trama sórdida tecida por seus chefes e colegas, conta com a astúcia de poucos. Um filme digno de reviravoltas surpreendentes, é um dos melhores filmes no estilo Thriller. Holly Hunter tem uma boa atuação juntamente com Gary Busey, também realizando um bom trabalho.

O Cliente  1994

Susan Sarandon ganhou uma indicação ao Oscar com este filme, que narra a história de uma advogada durona chamada Reggie Love, que assume um caso complicado, que envolve um menino procurado pela máfia. O menino é ameaçado pela máfia pois ele é o único que sabe o paradeiro do corpo de um senador assassinado. Conta também com participação de Mary-Louise Parker, cujo personagem foi baseada em sua mãe.

O Dossiê Pelicano 1993

Julia Roberts e Denzel Washington protagonizaram este filme que fala sobre uma jovem estudante de Direito que provoca uma comoção entre camadas da direção política ao revelar uma conspiração do governo que levou aos assassinatos de dois juízes da Suprema Corte.

Brilhante, para dizer pouco, de um Thriller que considerado um dos mais legais do gênero. Ele oferece um enredo surpreendente, realista e além de contar com a atuação de suas duas estrelas principais, que na época estavam em ascensão, antes de se tornarem grandes nomes  no cenário cinematográfico.

Tempo de Matar  1996

Depois de chamar atenção com seu primeiro livro adaptado para o cinema (A Fima), a história neste filme baseia-se na história do livro de Harper Lee, To Kill a Mocking Bird. Trata-se de relações inter-raciais no Sul estadunidense, tornou um sucesso de bilheteria. É claro que, ao mesmo tempo que inclui as grandes atuações de Matthew McConaughey e Samuel L. Jackson, é também conta com o desconfortável apoio da justiça vigilante, e é um tratado muito imaturo sobre a raça.

O Júri 2003

Gene Hackman retorna nesse segundo filme de Grisham, com um elenco igualmente impressionante (John Cusack, Dustin Hoffman e Rachel Weisz), desta vez com a história sobre uma fraude, que tentam vender o veredito de um grande caso (no filme anterior com Hackman, era contra indústria de tabaco; aqui é contra um fabricante de armas de fogo).

A Armação 1998

Baseado no manuscrito não publicado, o filme conta com um elenco com nomes conhecidos (Kenneth Branagh, Robert Duvall, Daryl Hannah e Tom Berenger) e com a direção do lendário Robert Altman. O resultado é um filme  dito “saco de gatos”, principalmente porque os produtores editaram o filme contra a vontade de Altman. Com isto praticamente destruiu um filme que poderia trazer mais um grande sucesso a Grisham.

O Segredo  1996

John Grisham, que estava se dando muito bem com as adaptações de seus livros para o cinema na época (A Firma, O Dossiê Pelicano), não se preocupou em terminar de escrever “A Câmara de Gás” antes de vender os direitos do filme. O resultado é que boatos que rodeiam esse filme é que não se assemelha em nada ao livro original.

por Tayler Coates
Versão Torrente Literária