domingo, 6 de novembro de 2011

John Grisham encontrou lugar na literatura e no cinema

Com mais de 250 milhões de cópias vendidas em todo o mundo, o autor já teve diversas obras lançadas no cinema e outras estão por vir!




Leilane Soares / cinemacomrapadura.com.br


A Câmara de Gás”, “O Cliente”, “A Casa Pintada”, “O Dossiê Pelicano”, “O Júri” são alguns dos títulos mais conhecidos desse escritor, mestre na arte de um tipo particular de suspense policial. Especialista em obras que mostram o caráter dúbio não só do sistema criado para proteger os interesses da população, como o dos profissionais que o constituem, John Ray Grisham Jr nasceu em 8 de fevereiro de 1955, em Jonesboro, Arkansas.


Segundo filho de um construtor civil e fazendeiro e de uma dona de casa, Grisham passou os primeiros anos de sua vida viajando pelo sul do país com a família. Depois de alguns anos na estrada, finalmente fincaram raízes em DeSoto Country, Mississipi. Naquela época o garoto, então com quatro anos, sonhava em ser jogador de beisebol.


Típico filho de fazendeiro, Grisham aprendeu a trabalhar muito cedo; ainda adolescente trabalhava aguando plantas a um dólar por hora, logo sendo promovido a ajudante de construção de cerca por um dólar e cinquenta centavos a hora. Aos 16 anos conseguiu um trabalho como encanador e aos 17, com a ajuda de seu pai, empregou-se junto à equipe responsável pelo asfalto na auto-estrada. Foi durante esse período que Grisham, depois de um incidente durante o trabalho em que foi perseguido por um funcionário furioso com um maçarico, pensou em entrar para a faculdade, pois, em suas palavras, “não tinha futuro naquele trabalho”.


Filho de pais com escolaridade básica, mas incentivado pela mãe que o encorajava a ler e a estudar, logo ingressou na faculdade. Enquanto estudante, Grisham trabalhou em uma loja de departamentos vendendo roupas íntimas masculinas, brinquedos e eletrodomésticos. Formado pela Mississipi State University em 1977, Grisham recebeu um diploma de bacharel em ciências. Logo em seguida entrou para a Universidade de Direito do Mississipi onde se formou em doutor especializado na área de direito criminal em 1983.


Grisham praticou o direito por dez anos e também ganhou uma eleição pelo Partido Democrata no Mississipi, onde atuou de 1983 a 1990 com um salário anual de US$ 8 mil. Foi apenas em 1989 que Grisham lançou seu primeiro livro: “Tempo de Matar”.


Com o livro finalmente terminado, encontrar editoras não era um trabalho fácil. Depois de ser rejeitado vinte e oito vezes, a desconhecida editora Wynwood Press concordou em fazer uma edição de cinco mil exemplares da obra. O livro foi então publicado em junho de 1989. Logo em seguida começou a trabalhar em seu segundo livro, que contava a história de um jovem procurador ambicioso, iludido por uma aparentemente perfeita firma de advocacia que não era nada do que parecia. “A Firma” permaneceu na lista de best sellers do The New York Times por 47 semanas consecutivas e se tornou o best seller do ano de 1991.


Só então ele desistiu de praticar a advocacia e se dedicou completamente a literatura, voltando aos tribunais apenas em 1996 para brigar na justiça pelos direitos da família de um trabalhador que morreu em serviço. Na época ele declarou estar honrando um compromisso feito antes de se aposentar da advocacia. Grisham ganhou o caso e a família levou para casa uma indenização de mais de 600 mil dólares. Desde maio de 1998, a Universidade do Estado do Mississipi possui uma sala de leitura com o seu nome. Hoje ele vive com a esposa Renée e seus dois filhos, Ty e Shea, em um condomínio fechado na Carolina do Norte.


Em 2008, seus livros haviam vendido mais de 250 milhões de cópias pelo mundo, com títulos traduzidos para 29 idiomas. Vencedor de prêmios como o Galaxy British Book Awards e Peggy V Helmerich Distinguished Author Award, Grisham é um dos três autores a vender dois milhões de cópias na primeira edição, sendo os outros Tom Clancy e J.K.Rowling.


Dezoito de suas obras já ganharam as telas do cinema. “A Firma” (1993), “O Dossiê Pelicano” (1993), “O Cliente” (1994), “Tempo de Matar” (1996), “O Segredo” (1996), “O Homem Que Fazia Chover” (1997), “Até Que A Morte Nos Separe” (1998), “O Júri” (2003) são apenas para citar alguns.


Seus filmes contaram com diretores como Sidney Pollack (“A Firma”), Joel Schumacher (“Tempo de Matar” e “O Cliente”), e o badalado Francis Ford Coppola (“O Homem Que Fazia Chover”). Além de uma direção privilegiada, seus filmes contaram também com atores como Rachel Weisz (“Um Olhar do Paraíso”), Dustin Hoffman (“Perfume: A História de Um Assassino”), Julia Roberts (“Comer, Rezar, Amar”), Denzel Washington (“Um Ato de Coragem”), Tommy Lee Jones (“Onde Os Fracos Não Têm Vez”) e Susan Sarandon (“Tudo Acontece Em Elizabethtown”).


Para alegria dos fãs do autor, duas obras estão com produções em andamento: “O Testamento”, que está previsto para 2012, e “O Último Jurado”, com previsão para 2013. Além disso, o ator George Clooney adquiriu os direitos de “O Inocente” através de sua produtora Smoke House, mas a obra ainda não tem data para ser lançada. Muitas são as expectativas para os fãs do autor, agora é esperar e aguardar por mais produções de tirar o fôlego.

Nenhum comentário:

Postar um comentário