quinta-feira, 28 de abril de 2011

Filme A Firma, com Tom Cruise, vai virar série de TV


Caio Arroyo - Pipoca Moderna

O filme “A Firma” (1993), estrelado por Tom Cruise (“Encontro Explosivo”) e dirigido por Sidney Pollack (“Tootsie”), vai originar uma série de TV. O longa, por sua vez, foi baseado no livro de John Grisham.

O projeto foi criado por Lukas Reiter (produtor de “The Forgotten”) e será produzido pela eOne Television, em parceria com a Sony Pictures Television e a Paramount. A série, que está em pré-produção, terá 22 episódios em sua 1ª temporada e está sendo negociada com a NBC nos EUA. Segundo o Hollywood Reporter, o programa também foi vendido para o canal AXN, que o exibirá em 125 países – inclusive, provavelmente, o Brasil.

A história original acompanhava Mitch McDeere, um advogado recém-formado que recebe uma proposta milionária para trabalhar em uma firma de advocacia. A firma, no entanto, é acusada de envolvimento em esquemas de corrupção. Depois de envolvido, McDeere descobre que todos os advogados que tentaram sair da empresa morreram de forma misteriosa.

A série deve ser ambientada 10 anos após os fatos do livro e do filme. Mitch e sua família vivem agora sob os cuidados do programa de proteção à testemunha. Porém, eles descobrirão que ainda estão em perigo. As gravações devem começar em julho, no Canadá, e informações sobre o elenco e direção devem ser divulgados em breve.


+ John Grisham desenvolve seriado "A Firma"

Tempo de matar


O título desse livro foi à primeira coisa que me chamou a atenção, a sinopse me deixou intrigado, então decidi lê-lo, e posso concluir sem dúvida que sendo a primeira obra escrita pelo autor, ele fez um excelente trabalho.

Mississipi, cidade de Ford Country, sul dos Estados Unidos, racista, década de 80, os Harley eram uma família negra normal, mas tudo muda quando Tônia, uma menina de 10 anos que estava a caminho do armazém a pedido da mãe é seqüestrada por dois indivíduos brancos, Billy Ray e Willard, e brutalmente espancada e estuprada por ambos.


Willard perguntou se Cobb achava que ela estava morta. Abrindo outra lata, Cobb explicou que não estava porque geralmente não era possível matar um crioulo com pontapés, pancadas ou estupro. Era preciso mais para se acabar com eles, uma faca, um revolver ou uma corda.
página 13

Por fim eles tentam matá-la e a deixam jogada a beira da estrada, só que ela é socorrida e levada ao hospital, ela vai sobreviver só que as seqüelas serão enormes.

Carl Lee Harley, é o pai de Tônia, um homem trabalhador, que vê sua vida ir abaixo depois do ocorrido com sua filha, e ele não vai descansar até obter vingança.

Os dois bandidos foram presos, quando estavam se vangloriando do seu ato em um bar, e estão prestes a ir a julgamento, só que Carl Lee, não os deixará impune de sua justiça de pai, ele calculadamente planeja o assassinato dos dois, e cumpri sua justiça.

Nessa época o máximo que aconteceria seria ele ir a júri popular e conseguir tranquilamente uma absolvição, contudo ele é negro, e matou dois homens brancos, ele está no sul dos Estados Unidos, um lugar extremante racista, intolerante, que ainda considera os negros um problema.

“Se fosse branco e matasse dois negros que violentaram sua filha, o júri daria a ele o prédio do tribunal.” Página 257

Para a defesa desse caso praticamente perdido, temos o jovem e competente advogado, Jake Brigance, que esta disposto a defender a causa de Carl Lee, só que ele sabe que uma absolvição é improvável, e seu cliente está fadado a câmara de gás, mas ele também não esta propenso a dar o braço a torcer.

As opiniões por todo o país de dividem, Carl Lee, é o herói da comunidade negra, um símbolo do movimento, e eles vão lutar por seu ídolo, mas os brancos estão insatisfeitos, afinal dois dos seus foram mortos, a menina afinal era negra.

O advogado passa a ocupar o centro das atenções, ele luta de todas as formas para poder inocentar seu cliente, só que ser advogado de um negro em tais circunstâncias e arriscado, e ele e sua família podem estar correndo risco de vida.

Uma trama pesada, polêmica, difícil, é esta a abordagem feita por John Grisham, e ele conseguiu prender minha atenção até o final do livro, mesmo com um final um tanto previsível, ou não, ele da um tom atraente a obra.

Eu me vi chocado, enfurecido, estarrecido, incoformado, uma confusão de sentimentos, o livro é muito bom, os personagens são interessantes, o racismo e a intolerância são o centro das atenções.

Se você deseja uma trama diferente, atraente, polêmica, não deixe de ler Tempo de Matar.

Fonte: Juan - Sempre Lendo

sexta-feira, 15 de abril de 2011

John Grisham nos palcos



Qual é o verdadeiro sentido da justiça? Essa é a pergunta que o público de "Tempo de matar", peça baseada no primeiro livro de Jonh Grisham, que estará em cartaz entre 6 de maio e 19 de junho no Arena Stage em Washington, DC.

Adaptado para os palcos pelo ganhador do Tony Award, Rupert Holmes e dirigido por Ethan McSweeny.

"Estou extremamente animado em trabalhar com esse elenco e esse diretor neste espaço notável", disse Holmes.

Embora escrito há mais de 20 anos, os temas de justiça e vingança expressos em Tempo de Matar continuam a ser relevantes nos dias de hoje.


+ John Grisham no teatro

Escritores de suspense mais bem pagos do mundo


Ian Fleming e Agatha Christie estão entre os nomes que fazem fortuna no Reino Unido, enquanto John Grisham e Dan Brown lideram o ranking nos EUA

Top 10 Reindo Unido

Ian Fleming £100m+
Agatha Christie £100m
Jeffrey Archer £70m
Jack Higgins £50m+
Ken Follett £50m
Dick Francis, just under £50m
Ruth Rendell £30m+
Lee Child £30m
Ian Rankin £25m
Alexander McCall Smith £20m

Top 10 EUA

John Grisham $600m
Dan Brown $400m
Patricia Cornwell $300m+
Robert Ludlum $300m
Michael Crichton $300m
Michael Connelly $250m
Thomas Harris $150m
Elmore Leonard $100m
Ed McBain $75m
James Ellroy $50m

Confiram a matéria completa publicada no The Guardian em 10/04/2011