sexta-feira, 19 de março de 2010

Nas arquibancadas

Editora: Rocco
Tradução: Aulyde Soares Rodrigues
ISBN: 85-325-1717-X
Páginas: 188
Ano de Lançamento: 2003

Nesse livro de John Grisham, o leitor não vai encontrar as tramas empresariais, as intrigas legais ou mesmo o número de páginas costumeiros. E não vai ter como se decepcionar. As 186 páginas de Nas arquibancadas (Bleachers, 2003) falam é da história do time de futebol americano escolar de uma pequena cidade. Neely Greenshaw é um corretor de imóveis com um joelho estourado. Mas, quinze anos atrás, era um dos grandes astros do time Spartans, da cidade de Messina, segundo alguns torcedores o maior de todos eles. Neely volta para Messina, depois de muitos anos de ausência, para acompanhar os últimos momentos de Eddie Rake, doente terminal e treinador que garantiu o sucesso dos Spartans durante décadas. Na verdade, o popularíssimo Rake é a figura principal do livro, nunca presente na ação mas citado e descrito por todos os personagens com amor ou ódio, e muitas vezes com uma incômoda combinação dos dois.

John Grisham é um advogado que usou sua experiência profissional para criar romances de suspense empresarial ou jurídico, como O dossiê pelicano, O homem que fazia chover e A firma, que o tornaram um dos mais populares autores americanos. Em Nas arquibancadas, ele usa uma outra experiência, a do garoto que jogou futebol americano no Colégio Southhaven. Grisham resgata seu passado e cria o pequeno universo da cidade de Messina, que vive em função do bem-sucedido time da escola local. E cria, também, um novo tipo de suspense. A trama do livro vai se construindo aos poucos, seguindo as memórias afetivas e raivosas de Neely Greenshaw em sua viagem de volta ao lar, o lugar onde se tornou uma celebridade antes de ter maturidade suficiente para lidar com o fato.

Durante a jornada sentimental de Neely e seus encontros com integrantes de várias gerações de jogadores dos Spartans ficamos sabendo como ele foi subornado para aceitar uma entre as muitas faculdades que o convidaram depois de completar a escola em Messina. Como ele recebia propina para continuar jogando bem. Como um acidente em campo, que arrebentou seu joelho, acabou com sua carreira de jogador e com parte de sua vida. Ficamos sabendo, também, como a sede de vitória do treinador Eddie Rake o levava a tratar seus jogadores da forma mais rigorosa possível, o que acabou causando a morte de um garoto durante um treino e a sua demissão depois de anos de sucesso profissional. Grisham esmiúça o mais popular dos esportes americanos como faz com meio empresarial e o sistema jurídico em outros livros.

Mas o romance é, em essência, sobre ilusão, ambição, fama e fracasso. E tem seus melhores momentos nas lembranças do jovem Neely, que, no auge da fama, trocou seu verdadeiro amor, a doce Cameron, pela gostosa, arrivista e popular Screamer. Nos encontros do maduro Neely com seus ex-colegas, pessoas que nunca conseguiram sair de Messina e vivem das glórias do passado. Na angústia do personagem em se confrontar com uma existência que ele tentou se convencer ter ocorrido numa vida passada. Em Nas arquibancadas, John Grisham dá o melhor de si, manipulando sentimentos da mesma forma que sempre fez com leis e estatutos, no estilo peculiar que o transformou no autor consagrado que é.



Nenhum comentário:

Postar um comentário